Já noticiamos o surgimento da aceleradora Wow em Porto Alegre, sobre a chamada para a primeira turma (aqui) e sobre a forma interessante de organização (aqui).  Nem todo mundo ficou atento ao fato de que 45 investidores anjos (hoje já são 47) juntaram-se para constituir uma holding, que seleciona os projetos a serem acelerados e investe neles como um veículo.

Entre os investidores, há desde empresários tradicionais com apetite por inovação, até empreendedores tecnológicos que já conquistaram algum sucesso e tem vontade de mais. Andei conversando com a Cris Mendes, que, além de investidora e diretora na Getway, também integra o grupo de anjos (uma das poucas mulheres no grupo) e com André Ghignatti, que era CEO na Agentrics/Neogrid, mas antes disso teve um histórico de criação de produtos e negócios e agora está como investidor e diretor executivo na Wow.

Assista ao vídeo que gravei com André. Ele explica sobre o processo de seleção das startups, de que forma estão ajudando as três atuais aceleradas (veja links abaixo) e o que buscam com a próxima chamada – que está aberta até janeiro (em fevereiro eles querem fazer um intensivo com no máximo 20 candidatos pré-selecionados). Eles estão interessados em software e Internet sim (como percebemos na escolha de duas das startups), mas também estão declaradamente olhando para agronegócios, biotecnologia, energia e eficiência, petróleo e gás, varejo, serviços.

Atualmente acelerando na Wow (e posando para a foto acima):

  • Busca Acelerada: agregador de ofertas de automóveis que, além de reunir as informações, também as qualifica;
  • Curupira: vende para empresas e pessoas um programa de neutralização de emissões de carbono (a startup planta uma árvore, cuida e mostra a evolução durante 10 anos);
  • ZoomYard: um mercado no qual fotógrafos podem promover seus serviços e agências (ou outras empresas e clientes interessados) podem encontrar seu fornecedor.