O título parece coisa de filme, tratado político ou algo polêmico como “Nova Ordem Mundial”. Mas não se preocupem, eu inventei essa variação (eu acho – ao menos o buscador não buscou resultado válido) com bons olhos. E acho que essa metáfora é forte o suficiente para eu conseguir expressar como vejo uma tendência que está se firmando no Brasil, para a alegria das startups.

Talvez nem seja novidade que as corporações multinacionais – ou transnacionais – dão o ritmo do desenvolvimento na maioria dos países, não o governo (que até tenta, mas por natureza e vício é muito menos dinâmico do que o mercado – vale ver os comentários nesse post). O que não tínhamos ainda era um grande exemplo de iniciativa corporativa que fosse realmente dar condições para empreendedores inovadores de vários países se desenvolverem. Agora temos.

Depois das iniciativas de inovação aberta da Campus Party (com as competições Campuseiros Empreendem e Campuseiros Inovam), do Desafio Brasil (que é uma variação diversificada do Desafio Intel), do Grupo Buscapé (com a competição Sua ideia vale 1 milhão), do Grupo RBS (que está fazendo o PREI) e da Red Innova Open Talent (que em junho levou finalistas brasileiros para Madri e já está selecionando projetos e vai acontecer em novembro no Brasil), até da Latin Moot Corp e do I2P, (cada um desses no seu contexto, formato e proporção), estão abertas as inscrições (até 23/10) para a Academia Wayra.

Conversei com Ricardo Kahn, responsável por tocar no Brasil o programa de aceleração da inovação aberta Wayra, iniciativa da Telefonica, que já vem acontecendo em uma série de países da América Central, Latina e na Europa hispano-falante (eu sempre quis usar esta expressão para falar da Espanha) .

Pela conversa como Ricardo, jovem engenheiro cheio de especializações em negócios, inovação e empreendedorismo, entendi que a Wayra não se trata de uma iniciativa de Responsabilidade Social do tipo “bonitinha para constar” , nem de uma nova forma de a corporação ganhar dinheiro. Depois de ouvir uma série de fatos e premissas, ficou claro que o futuro está sim na mão de empresas, não de governos ou entidades. Mas não de qualquer empresa, e sim as bem grandes, as que fazem os tsunamis de dinheiro, energia e conhecimento irem de um lugar pra outro, por exemplo.

Impact investing, investimento de impacto. Ricardo concordou quando perguntei para ele se essa postura da Telefonica era parecida com a de capitalistas – como os da Vox Capital – que investem em iniciativas tendo em vista o impacto positivo que elas podem proporcionar vida das pessoas, mas na forma de empresas e produtos, não oscips, ongs, associações, entidades.

Qual impacto social a Wayra pode ter? E como se pode dizer que a Telefonica se interessa mais pelo impacto disso do que pelo lucro?

Vamos s palavras de Kahn. “O Wayra, iniciativa da Telefônica, tem como intenção reter o talento empreendedor da América Latina na região, através da instalação de aceleradoras de negócios em oito países já em 2011 e em breve ampliando ainda mais. Cada aceleradora apoiará a cada seis meses a 10 start-ups, com financiamento de 30 a 70 mil dólares, um espaço de trabalho inovador, assessoria jurídica, suporte tecnológico, uma ótima rede de mentores e outros. O investimento será sempre minoritário (por volta de 10%): o empreendedor continuará sendo dono de seu negócio. E o mais maravilhoso, que prova que a Telefonica não faz isso por dinheiro, mas para ajudar, é que podem participar até projetos que estão na fase de ideia, sem protótipo mesmo! Sem contar que o co-investimento será incentivado, inclusive com os mentores convidados”.

Pelas contas dele, 8 países multiplicados por 10 startups em cada semestre multiplicados por dois semestres num ano, dá o equivalente a 160 startups aceleradas por ano na América Central/Latina + Espanha! Isso sem contar as 20 por ano que serão aceleradas na Academia Wayra em São Paulo e, segundo a previsão dele, a ideia é ter ainda mais uma ou duas sedes do programa no Brasil!

E não importa se vejo com bons olhos, o negócio é seu, certo? Então, veja com seus próprios olhos e inscreva-se até o dia 23/10!